Air Conection Express, será a nova operadora de voos Domésticos em Angola...

Air Conection Express, será a nova operadora de voos Domésticos em Angola e promete preços baixos

COMPARTILHE
A A A

Com a assinatura de um contrato, para a aquisição de seis aeronaves, entre a nova operadora de voos domésticos, Air Conection Express, e a fabricante canadiana Bombardier, a TAAG perde a hegemonia do mercado interno de aviação.

0,38fc7ca0-5acb-44b1-9c92-b43a26d8b29a 0,b613d6ea-a82e-4fdf-b911-c0753f6a45a4 0,fe225830-10ac-4adc-9df0-673fc2e3b242 0,4e37a7d4-ee53-4225-acf5-8a44a314567b

2018-05-06-PHOTO-00000024 2018-05-06-PHOTO-00000025 2018-05-06-PHOTO-00000026 2018-05-06-PHOTO-00000027 2018-05-06-PHOTO-00000028 2018-05-06-PHOTO-00000029 2018-05-06-PHOTO-00000030

Rubricado ao princípio da noite deste sábado, em Luanda, por Angola, pelos nove sócios da companhia, enquanto o vice-presidente para África, Médio Oriente e Oceânia, Jean Paul Boudbou, assinou o contrato pela Bombardier, na presença do ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás.

O consórcio, que tem na TAAG o sócio maioritário, ao lado da ENANA, Bestfly, Air Jet, Air 26, Air Guicango, Diexim, SJL e Mavewa, vai operar a partir de 2019, com aeronaves do tipo Q400.

Ao tomar da palavra em representação do consórcio nacional, Alcinda Pereira disse que este projecto pode vir a definir os próximos 30 anos da indústria em Angola, não só pela forma estruturada como está a ser conduzido, mas porque vai permitir o crescimento da economia nacional.

Informou que cada Bombardier, do tipo DH8-Q400, está avaliado em pouco mais de 23 milhões de dólares.

No acto, o ministro anunciou também um ensaio a ser implementado por estes operadores, que vai marcar a abertura de um novo livro na aviação civil e ditar a criação de bases aéreas regionais.

Avançou que as aeronaves vão parquear em quatro bases regionais, designadamente a Base Norte, em Cabinda, Sul – no Lubango, Leste – no Luena (Moxico) e na zona central do país, que terá como base o aeroporto da Catumbela (Benguela), fazendo ponte aérea com Luanda e garantindo o transporte inter-provincial.

“Este ensaio visa dar resposta a preocupação das populações a nível do transporte aéreo, para reforçar a coesão social, económica e territorial do nosso país”, afirmou.

O consórcio é composto por nove accionista, nomeadamente a TAAG, sócio maioritário, ENANA, Bestfly, Air Jet, Air 26, Air Guicango, Diexim, SJL e Mavewa, e está avaliado em 143 milhões e quatrocentos mil dólares americanos, na perspectiva de operar com aeronaves do tipo DH8-Q400.

O projecto resulta de um financiamento montado por um sindicato bancário composto e liderado pelo banco angolano BNI e pelos Bancos de Desenvolvimento Afrexim, sediado no Egipto e EDC – Export Development Canada.

Considerou que este projecto traz a possibilidade de se viajar a um custo mais baixo e permite um aumento significativo das frequências e ligações a todo o país, o que dita uma nova era da aviação em Angola.

Para o director Comercial da Bombardier, Sammer Adam, a escolha do Q400 é optima, trata-se de uma aeronave com velocidade e desempenho em pistas desafiadoras e em pequenos mercados onde outras aeronaves têm dificuldades, além de permitir uma redução de custos e o aumento da oferta dos serviços, com um forte pacote de suporte.

Nos termos do contrato a Bombardier compromete-se em formar 25 assistentes de bordo, 55 pilotos, 40 mecânicos, entre outros serviços, bem como garante a presença de um representante de campo por 36 meses, de forma a assegurar o inicio da operação da Air Conection Express.

 

comentários facebook